Páginas

terça-feira, 24 de novembro de 2015

#Censurado

Hey Guys...

Tudo bom? Semana passada minha professora de sociologia pediu que pesquisássemos sobre a Ditadura Militar e deixássemos claro a nossa posição com relação a ela, tendo argumentos que justificassem nossa escolha. Após fazer minhas pesquisas, eu escrevi esta pequena redação.

A DITADURA


A Ditadura caracterizou-se pela falta de democracia, supressão dos direitos constitucionais, censura, perseguição política e repressão aos que eram contra o regime militar.

De 1964 a 1985, o Brasil viveu a Ditadura Militar, uma época em que os militares passaram a governar o país. Esse regime de governo foi chamado de ditadura, pois os governantes não eram escolhidos pela população e quem discordava do governo poderia ser preso.

O Congresso Nacional não podia controlar os generais presidentes. Os sindicatos, as universidades e os jornais eram vigiados pela policia.

 Em seus 21 anos de duração, o Regime Militar exerceu uma pressão permanente e sufocante sobre a vida artística e cultural.

 Sempre houve resistência ao regime: Passeatas Estudantis, Guerrilha Urbana e Rural, Mobilização dos Operários, Jornalistas, Professores, Camponeses, Estudantes, Donas de Casa e Políticos, todos disseram não a ditadura e lutaram bravamente pela abertura política.

Porem nos dias atuais, a questão da Ditadura vem sido muito debatida. Diversas pessoas insatisfeitas com o rumo que o governo do país tomou estão lutando pelo retorno desta para colocar ordem na corrupção e na forma de vida da sociedade brasileira. Mas essa seria mesmo a melhor solução?

Roger Moreira, vocalista do Ultraje À Rigor em Carta publicada no jornal Diário de São Paulo.

Lutei contra a ditadura, sim! Tomei borrachadas, engoli gás lacrimogêneo, corri da cavalaria na Av. São João em direção à Praça Antônio Prado e à Praça da Sé.
Participei das perigosas assembleias dos sindicatos, onde milicos escondidos na massa guardavam na memória o rosto dos mais exaltados.
Arrisquei o emprego, pichei muro com o slogan “Abaixo a Ditadura”.
Distribui panfletos.
Morri de Medo.
Chorei quando anunciaram a devolução do poder ao povo: eu e mais alguns milhões.
Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de hospitais, bandidos matando por R$10, pessoas andando feito zumbis nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6x8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país desfilando uma incompetência absurda, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos...
Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz...
Deveria ter ficado em casa”.

Muitas pessoas hoje em dia, levadas pelas atrocidades que somos obrigados a passar (falta de saúde e educação de qualidade, desemprego, altas taxas de criminalidade), pensam que radicalizar a situação trazendo o regime militar de volta é a melhor solução. Elas acreditam que o Brasil precisa de uma mudança radical que faça com que a “Ordem e Progresso” sejam realmente as palavras que definirão nossa sociedade.

Mas elas realmente estão certas? Ou as pessoas que são contra estão erradas?

Desde que me conheço por gente compreendo que todos os seres humanos possuem direitos. E infelizmente no caso da ditadura militar isso não acontece. Não da forma correta. Na Ditadura temos o direito de ficar calados, de não pensar, não agir e apenas fazer aquilo que somos obrigados a fazer. Onde estão nossos direitos agora?

Não podemos fazer nada do que queremos. Não podemos nos expressar, sentir, não temos direito a nada. E isso é afirmar que não somos livres. Mesmo que teoricamente na nossa sociedade atual nós não tenhamos plena liberdade de nossos atos, é melhor isso do que não poder dizer, pensar e fazer.

Hoje em dia, um exemplo de Ditadura Militar no Brasil é a manifestação dos caminhoneiros, que estão exercendo seus direitos de se manifestar e exigir melhores condições e são açoitados pela policia a mando da Presidenta. No caso do mundo, o melhor exemplo é a Coreia do Norte, que vive nessa situação.

Antes de tomar qualquer atitude de escolha devemos pesquisar muito bem antes de definirmos de que lado estamos. No meu caso, pelo relato de diversas pessoas que passaram por essa fase e pesquisas que fiz na internet, digo que sou contra o regime militar. Porque mesmo que eu queira que o nosso país melhore, seja mais igualitário, não seja corrupto e cumpra com a sua obrigação de estabelecer qualidade de vida à população, eu acredito que o direito a liberdade que teremos será o suficiente para fazermos essa mudança com nossas próprias atitudes. Sem sermos radicais. Mas sendo livres para tomar as decisões certas.

Valendo lembrar que cada um tem o direito a sua opinião. Essa é a minha. Mas isso não tira o direito de vocês de deixarem abaixo a sua opinião e seus argumentos.

Voltando mais a ditadura e sua parte de censura.

Temos uma música que foi proibida durante anos e foi censurada porque se tornou o hino de resistência do movimento civil e estudantil que faziam oposição a ditadura.

Caso vocês não a conheçam seu nome é “Para Não Dizer Que Não Falei Das Flores”. Ela foi escrita e interpretada por Geraldo Vandré. 


Quando procuramos imagens na internet sobre a ditadura militar fica bem claro a “imagem” que ela passou a milhões de pessoas.





Diversas distopias famosas nos descrevem como é viver em um sistema ditatorial como Jogos Vorazes e Divergente.


No caso de Divergente, a sociedade se dividiu em cinco facções com a intenção de eliminar as injustiças e as guerras, apesar de ainda assim ter miséria e desigualdade com os sem-facções. Porém essa forma de governo ditatorial acabou sendo pior, pois a própria sociedade começou a pensar e agir de acordo com as regras impostas, seguindo-as como se fosse isso ou a morte.

Em Jogos Vorazes, a Capital, rica em diversos recursos como qualidade de vida e luxo, controla doze distritos marcados pela desigualdade e pela miséria. Existem regras severas e quem não obedece a elas paga com torturas, espancamentos e a morte. Ao ter inicio uma “ideia” de revolução, o governo tirano impôs ainda mais regras. O que acabou resultando na morte de diversas pessoas e a destruição de diversos distritos. O maior exemplo disso é o distrito treze, que foi completamente destruído, anos atrás, quando todos os distritos se revoltaram contra a capital.

Caso você tenha curiosidade recomendo ambos os livros!

Espero que tenham gostado! Não se esqueçam de deixar sua opinião. 


                                           Com Carinho,

                                                                         LubDaydream



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hey Guys...

É muito estimulante a sua opinião, então, não vamos exagerar no palavreado, ok??

Bjs

Lub Daydream